Sempre fui alva, quase pálida ousaria dizer.
Mas não vim ao mundo assim, desprovida de cor.
Vim salpicada de sardas, como se elas fossem meu tempero, meu sal.

Há quem não goste, quem tente tirá-las. Eu não.
Sardas são minha mesura e minha ousadia.
São pedacinhos de cor, atrevidos, que fizeram verão em meu corpo.
Chegam a ser constelações, via lácteas pintadas no meu firmamento.

Sardas são pingos de luz, pequenos topázios cravados na pele.
São meu pedaço tropical, minha morenice.
Sardas se multiplicam sob o sol, provocam...querem ser contadas.
E há quem tenha forte inclinação por elas...

Então aqui vai meu conselho:
Mulher sardenta e cavalo passarinheiro: alerta companheiro !


Solange Maia




.




Eu gosto das minhas. São herança dela :)




Paz e Bem!

1 comentários:

Moça do Fio disse... Responder

Risos.

Mais uma menina com sardas. Eu fui ao Blog da Solange e disse a ela que no meu há um post entitulado Mundo Estranho onde eu respondo algumas perguntas interessantes. E tem a resposta à seguinte pergunta: "Por que todo ruivo tem sardas?"

Se quiser, dá uma passadinha lá. A Sol já foi.

Abraços e bom dia.

PS: Em Lost, o Sawyer chama a Kate de Sardenta ;-)

PS2 : Adorei seu Blog. Muito bom!!!

Deixe um comentário

Bem-Me-Quer, Mal-Me-Quer

^
Segredos de Travesseiro © 2012 | Layout por Kakau com Limão | Ilustração por Desi.