Chuva

30/04/10

Eu queria entender como depois de tanto tempo você ainda me dói tanto, ou se sou eu a me fazer doer por continuar tentando fazer sentido. De lacuna, de ausência e de brechas eu ando entendida. O espaço na minha cama que era tão pequeno para dois corações me parece tão grande agora, assim como ficou infinitamente maior o espaço na minha vida para a saudade de alguém que não existe mais, de alguém que não existe aqui. Há dias eu preciso chover. Lavar a alma e borrar a maquiagem, que se dane! Maquiagem se refaz, alma não e a minha eu preciso garantir.


Hoje eu narrei a mim mesma, com frases invisíveis, o nosso pretérito-quase-perfeito e eu quase pude tocar meus pensamentos. Certa lembrança se materializou bem na minha frente, sem nenhum aviso, só para me mostrar sobre tudo o que eu poderia ter sido e não fui. Choveu. Vejo os pingos da janela mais alta. Escorri-me por dentro e você brotou aqui, bem no canto do meu olho esquerdo. É que o coração verteu, desaguou. A alma se fez despejar, fazendo escorrer por dentro toda a poeira dos vãos. Molharam-se as cartas, as fotos, os sons. Foi a primeira vez que senti o cheiro da água. Nem tentei evitar as gotas que caíam desse dia cinza, já que não há mesmo guarda-chuva contra o amor. Lancei-me em mim, a favor da correnteza, assim como toda água que procura o seu mar, sou eu o meu próprio oceano, mesmo que um oceano de incertezas.


Por tudo o que já não é mais, eu transbordo. Por tudo o que ainda não é, eu derramo. Por tudo o que se pode chamar de agora, eu broto. Há certo gosto em chover, juro! Existem lágrimas que não são perniciosas, têm tempero adocicado. São feito prêmio que a gente recebe apenas por continuar tentando. Agora eu tento fazer sentido. Agora eu tento te deixar escorrer. Agora eu posso seguir de alma lavada e cabeça erguida, mesmo com o coração na mão. Agora eu posso te dizer que você ainda me dói, mas ao invés de sempre, é apenas quando eu menos espero.









Paz e Bem!



Ao som de: Elephan Gun - Beirut

30 comentários:

Solange Maia disse... Responder

te entendo tanto...
e verto também.

beijos

Alê Ferraz disse... Responder

Gabi,

Passei dias tentando contar dessa chuva - essa, de dentro.

Hoje peguei o netbook decidida a escrever. Daí parei aqui.

Obrigada querida, por não soltar as nossas mãos nem debaixo de chuva.

Agradeço emocionada, que como você, vivo de dores que chegam quando menos se espera.

Ainda bem que, quando menos se espera, vem você. Trazendo as palavras que haviam fugido. E que todas elas sempre pousem nesse coração de poetisa...

Beijo!

Roberta disse... Responder

"Agora posso seguir de cabeça erguida, mesmo com o coração na mão..."

meu momento!

lindo texto!
lindas palavras!

linda semana Gabi!

Beijão!

Roberta disse... Responder

"Agora posso seguir de cabeça erguida, mesmo com o coração na mão..."

meu momento!

lindo texto!
lindas palavras!

linda semana Gabi!

Beijão!

Lívia disse... Responder

Gabi, sou nova nesse mundo dos " bloggeiros" e sim, meu blog é recem nascido. Mas tem tempo que passo por aqui. Primeiramente, atraida pelo nome.Depois, pela identificação imediata ds seus textos. Mas nunca os comentei.
Mas hoje, diante deste "Chuva" seria impossivél, não.
Depois de ler, saio daqui renovada-mesmo não tendo chovido em mim ainda- "de cabeça erguida, e com o coração na mão" também.
Preciso dessa chuva! Que chova em mim também!

Muitos beijos, querida!

Mandy disse... Responder

Que lindo Gabi. E bom, acho que to do mesmo jeito que você viu. Preciso dar uma lavada na alma, e também preciso aceitar as decisões que foram tomadas. =/ Depois de um tempo, eu sei que vamos ficar melhor...
Ficou muito lindo, eu adorei mesmo *-*
Beijão
Mandy

Flor disse... Responder

tem certas coisas que não importa quanto tempo passe, sempre fazem questão de aparecer. Parece que é só pra lembrar de como dói, ou de como poderia ser. O pior de tudo, é viver com o pé nessas "lembranças" ..

Beijos amor ♥

Melancia disse... Responder

LIIINDA! que saudade de passar aqui. Desculpe mais uma vez, mas a escola está me extraindo todas as forças.

é incrivel. Um mês se passou e seus textos melhoram, sempre *-* Carregados de sentimentos.
Adoro textos assim.

Você é ótima!
Parabéns.

Um beijo e Um Queijo ;*
Daniela

disse... Responder

excelente texto, como sempre.

Aline Pará disse... Responder

Acho que foi um dos seus melhores textos.

;*

.Intense. disse... Responder

Texto que fala pelos outros, Gabih. Eu não sei, às vezes é por ler o texto pelos meus olhos - ou melhor dizendo, pelo meu coração - que eu fiquei sentindo uma coisa: oq ainda resta, do que não resta, é a dor. A angústia, o sofrimento, sei lá. Qualquer coisa que ainda nos ligue a uma história que já não tem nada pra estar vida.

E isso não é bom. Cartas, cheiros, presentes...nessas horas, descobrimos que é mto mais fácil lidar com oq é tangível.

Mistérios da vida.

Naty Araújo disse... Responder

Aiiiiiii eu amei o texto e fiquei imaginando essa água tocando meu corpo.
Que lindo isso!
Foi tocante!
Profundo!

Bjos

Carlinha disse... Responder

Como sempre, belo e tocante seus textos!! =D

Tobias Silser disse... Responder

Agora sim.. esse mostrou a gabih que conheço rs.
Tava meio sumida nas linhas.. rs

Bj!

Hod disse... Responder

É normalmente bastante doloroso ficar presa no passado. Ou então alimentar a ausência.
É o tipo de saudade que maltrata.

Beijo pra vc Gabriela.

Priscila Rôde disse... Responder

Juro que eu lembro da Clarice quando te leio. Não sei, incrível!

Thaisa Schelles disse... Responder

Meu deus lindo demais, estou sem palavras.
Você sabe mesmo como tocar as pessoas. Parabens!!!

Beijos, estava com saudades dos seus textos!

Felipe disse... Responder

Lembro-me que quando escrevi sobre a mesma chuva que você, meu texto nem de perto era tão fluido. A minha chuva era mais um vazamento, a sua é uma tempestade de verão.
Também tive a brilhante ideia de ler o texto ouvindo a mesma música que você disse que ouviu pra escrevê-lo, e adorei o resultado.


bjos

Pati disse... Responder

Nossa guria, que texto lindo! Cheio de sentimentos e muuuuuito bem escrito. Adorei!!

Paula disse... Responder

Que esse coração na mão continue pulsando querida...
Muito!
Saudade!

*Maluh Mah* Marinha Luiza disse... Responder

Lindo, lindo, lindo!
Lembre-me de como me sentia ha um tempo atras...

Srtª Elis° disse... Responder

Por que vc me doi tanto....


ahhhh eu gostei....tanto..

um xero flor!

Naty Araújo disse... Responder

Beijos linda... ótima semana pra vc!

Lu disse... Responder

Que lindo texto!
Confesso a você que isso era o que eu queria ter escrito: "Agora eu posso dizer que você ainda me dói, mas ao invés de sempre, é apenas quando eu menos espero".
A-DO-R-E-I!!!

Uma linda semana pra você.
Beijos.

Thaís. disse... Responder

Gabi,
é preciso chover para que o arco-íris renasça depois.
Que o seu seja repleto de cores lindas.

P.S: Você tá escrevendo muito, moça.

Beijo grande!

Melancia disse... Responder

Oi Fofa!
Desculpe a enorme³ ausência.
Mas você também não está postando muito.
Como você está? Bem, espero.
Gosto muito do seu jeito incrivel de escrever. Espero que continue aqui conosco.

um beijo e um queijo ;@
(paz e bem!)

Thiago Rodrigues disse... Responder

Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago Rodrigues disse... Responder

É bom ver q no nosso Brasil, meio ignorante com a cultura, ainda cultiva pessoas assim como vc. Que com singelas palavras move multidões! Parabéns belo excelente blog, qualquer hora dessa dá uma passadinha lá no meu, tchauzim pro'ce e até quakquer visitinha dessa.

Solange Maia disse... Responder

onde está você ?
saudades das suas palavras lindas...

beijos

Bianca Brito disse... Responder

Com certeza a alma sempre precisa de uma lavada, de um renascimento. Afinal, somos metamorfoses ambulantes não é mesmo? O Modelando Paradigmas está de volta, Gabi! Não deixe de dar uma passadinha lá.

Beijos

Deixe um comentário

Bem-Me-Quer, Mal-Me-Quer

^
Segredos de Travesseiro © 2012 | Layout por Kakau com Limão | Ilustração por Desi.