Desapego



Depois de tanto tempo habitando o pretérito, me deparei com você ali, bem no meio do meu pensamento. Vi o seu rosto marcado em meio a um perfume marcante, que provei ao encontrar o acaso. Com palavras invisíveis, narrei a mim mesma a sua lembrança, só que agora de um jeito diferente. Você já não me dói e tampouco me inspira aquele sorriso de canto de boca, que tanto prezo.  Às vezes, é preciso aceitar, que certas coisas não foram feitas para darem certo. Desapego também é um tipo de amor: o próprio. Deixa partir. 


5 comentários:

Dani Aguiar disse... Responder

Liindo, simplesmente lindo! *-*
Palavras que disseram tudo que vivo agora!

Mara Ribeiro disse... Responder

O que não foi feito pra ficar não tem jeito...
Lindas palavras.
Bjo no coração.

Marilia Sestari disse... Responder

Lindo lindo!

Sol disse... Responder

Tudo que eu tenho precisado "ouvir"...

Concordo,o desapego eh uma forma de amor proprio. Aquilo que faz doer, temos que deixar ou mandar ir. Eu soh preciso internalizar isso pra mim...

Beijo, Gabi.

Fernando disse... Responder

Às vezes não controlamos nossos sentimentos, mas podemos controlar o que pensamos. Para seguir em frente...

Ótimo post. Gostei bastante de todo o blog. O mais legal é que escrevi um texto bem parecido, "A última carta". Nossos textos parecem se completar. =)

Visite Um livro sobre o insólito.

Deixe um comentário

Bem-Me-Quer, Mal-Me-Quer

^
Segredos de Travesseiro © 2012 | Layout por Kakau com Limão | Ilustração por Desi.